NOTA DE ESCLARECIMENTO - Advogada Polyana Rodrigues Senna

Fonte: POLYANA RODRIGUES SENNA - Em Justiça - 10/07/2018 20h 30min

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
NOTA DE ESCLARECIMENTO - Advogada  Polyana Rodrigues Senna

Eu, POLYANA RODRIGUES SENNA, Advogada devidamente inscrita na Ordem dos Advogados do Brasil sob nº 7428, subseção de Rolim de Moura-RO, venho por meio da presente nota esclarecer a verdade real acerca dos fatos ocorridos na última semana envolvendo minha pessoa no desempenho do meu oficio.


Como é de conhecimento da comunidade jurídica local e estadual, fora veiculado na mídia digital, diversas notícias que traziam as seguintes manchetes:
“ADVOGADA É LEVADA À UNISP AO TENTAR SACAR MAIS DE R$ 63 MIL COM DOCUMENTOS FALSOS EM ROLIM DE MOURA-RO”
Golpe foi descoberto pelo sistema de monitoramento da agência bancária. Gerente entrou em contato com a vítima que disse não ter conhecimento de movimentações na conta.” (Fonte G1 Cacoal e Zona da Mata)


Em outros sites destacaram: 


“ADVOGADA É DETIDA ao tentar sacar mais de 63.000,00 utilizando documentos fraudados” (Fonte Divulga RO).

 

“ADVOGADA É CONDUZIDA ao tentar sacar mais de 63.000,00 utilizando documentos falsos.” (Fonte JH Notícias).

 

E não foi só. Após a veiculação das referidas matérias, a notícia fora publicada/compartilhada em vários outros sites, cito: RONDONIANEWS, JORNAL NOVA MAMORÉ, bem como em grupos da plataforma Facebook e Whatsapp. 


Conjugado a tudo isso, não bastasse os transtornos já gerados até então, determinado sítio eletrônico chegou a divulgar minhas iniciais P.R.S., e posteriormente, veio a publicar o Boletim de Ocorrência na íntegra, contendo, inclusive, meu nome completo por extenso. 


Feitas essas considerações, gostaria de expressar minha irresignação, pois em momento algum, referidos sites me procuraram para exercer meu direito de defesa e esclarecer os fatos. Todas as matérias vinculadas estão maculadas de erros, incoerências e inconsistência. Tais condutas retiraram de mim o direito de informar em primeira mão a real história a meus familiares, amigos e clientes. Contaram uma versão alterada dos fatos, de acordo a conveniência e probabilidade a dar “MAIOR IBOPE” ao acontecido. 


Esclareço que sou advogada e atuo na profissão desde dezembro de 2015. Dentre as várias tarefas inerentes à profissão, realizo atividades na Comarca de Rolim de Moura e regiões circunvizinhas na qualidade de correspondente jurídica, frisa-se, mister LÍCITO, HABITUAL E COMUM no meio jurídico.


Acerca do acontecido, explico que, em meados de junho fui contatada via whatsapp por uma pessoa que me solicitou uma diligência, qual seja, fazer levantamento de valores na Caixa Econômica Federal e, posteriormente, efetuar a transferência da quantia para a conta do Contratante. Feito o acordo, dias depois recebi através do Correio (sedex) a documentação rotineira para tal tarefa (cópias documentos pessoais, comprovante residência e procuração). Depois de autenticar as cópias e realizar as averiguações de praxe, me dirigi até a caixa econômica, quando após apresentar os documentos, tomei conhecimento de que se tratava de um Precatório no valor de R$ 63.333,00 (sessenta e três mil reais, trezentos e trinta e três reais).


Referido valor causou-me certa estranheza, pois a princípio havia sido contratada para realizar o levantamento de uma Requisição de Pequeno Valor. Porém, não me restava mais alternativas, senão aguardar a verificação por parte da agência bancária, que segue a formalidade de aguardar 48 (quarenta e oito) horas para a liberação da operação. 


Transcorrido referido prazo, retornei à agência da CEF, ocasião em que tomei conhecimento de que havia um problema com a documentação e que poderia se tratar de documentos falsos. O responsável pela agência me informou também que, ao entrar em contato com a titular da conta, residente em outro Estado da Federação, a mesma lhe informou não ter autorizado nenhuma transferência de valores, afirmando não ter outorgado procuração à nenhum advogado para atividade nesse sentido, motivo pelo qual a Policia Militar teve que ser acionada para averiguações.


Estando a par da verdadeira situação, isto é, percebendo tratar-se de uma fraude para a qual eu havia sido usada como instrumento, de pronto me disponibilizei a colaborar com as autoridades, me dirigindo por livre e espontânea vontade até a UNISP, onde prestei todas as informações que me foram solicitadas, tendo inclusive, disponibilizado meu telefone celular para apurações e colheita de toda e qualquer informação necessária para identificar o verdadeiro autor da referida tentativa de estelionato. 


Assim, deixo claro que JAMAIS FUI CONDUZIDA, DETIDA OU FLAGRANTEADA conforme veiculado na mídia. Isso é INFORMAÇÃO MENTIROSA. Afirmo ainda que, NÃO SOU ESTELIONATÁRIA e tão pouco compactuei com a realização de qualquer tipo de fraude, como fez parecer a imprensa. Ressalto que, desde o primeiro momento em que tomei conhecimento da verdade dos fatos coloquei-me à inteira disposição das autoridades polícias, com quem tenho elevado prazer em cooperar.


Sou uma ADVOGADA HONESTA e tenho muito orgulho da minha profissão.
Reitero meus agradecimentos aos meus familiares, amigos, colegas de profissão e clientes que, desde o início me apoiaram, mesmo antes de saber a real situação fatídica, pois conhecem minha índole e caráter. Torço também para que nenhum outro profissional de bem venha ser exposto de forma tão brutal, massacrante e irresponsável pela mídia.

 

Sem mais, obrigada!

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Mais Notícias da Categoria: Justiça

COMENTE
COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve, em especial, aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu. A DIREÇÃO