Laudo mostra de quem foi o tiro que matou Ágatha

Fonte: 1news - Em Geral - 19/11/2019 15h 55min

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
Laudo mostra de quem foi o tiro que matou Ágatha

A morte da menina Ágatha Vitória Sales Félix, de oito anos, no Morro da Fazendinha, no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, há dois meses, causou comoção nacional.

A tragédia que marcou para sempre a família de Ágatha e chocou todo o Brasil ocorreu no dia 20 de setembro. O enterro da menina, no dia seguinte, teve grande comoção e muito choro.

Desde então, havia uma guerra de informações sobre quem teria dado o tiro que acertou a criança. Nesta terça-feira (19), porém, o caso foi desvendado.

Publicidade

O inquérito da Polícia Civil sobre o caso, que deve ser enviado para a Justiça ainda nesta terça, informa que o tiro que atingiu e matou Ágatha partiu da arma de um cabo da Polícia Militar.

A identidade do PM envolvido no crime não foi divulgada. De acordo com o documento da Polícia Civil, houve falha de execução. O objetivo do policial que atirou era dar um “tiro de advertência” para que os dois homens em uma moto parassem na blitz.

De acordo com testemunhas, o cabo estaria sob forte tensão no dia do ocorrido. Três dias antes, ele havia perdido um colega. Por isso, o PM pode ter confundido a esquadria de alumínio que o homem que estava na garupa da moto carregava com uma arma de fogo.

O relatório feito pelo Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE), que foi entregue à Delegacia de Homicídios (DH), apontou que fragmento de projétil encontrado no corpo da menina era idêntico ao do cano do fuzil usado pelo cabo da PM.

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
COMENTE
COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve, em especial, aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu. A DIREÇÃO