Em greve, agentes penitenciários ocupam CPA para buscar diálogo com o governo do Estado

Fonte: Rondônia Agora - Em Rondônia - 14/03/2019 13h 21min

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
Em greve, agentes penitenciários ocupam CPA para buscar diálogo com o governo do Estado

Cerca de 30 agentes penitenciários estão acampados na entrada da sala da governadoria, no Palácio Rio Madeira, sede do governo do Estado de Rondônia, em Porto Velho, para pressionar o governador Marcos Rocha a restabelecer o diálogo com a categoria e a enviar o projeto de lei de realinhamento para a Assembleia Legislativo. Nesta quarta-feira (14), o movimento paredista completa três dias. O governo ainda não se pronunciou sobre o assunto.



Pelas redes sociais, numa transmissão ao vivo, a presidente do Singeperon, Daihane Gomes, disse que a categoria pretende uma reunião com o governador do Estado. “De forma pacífica, estamos aqui na governadoria, nos algemando, porque é assim que estamos nos sentindo. Estamos todos desarmados. Nós estamos buscando o diálogo, não somos bandidos”, disse a sindicalista. Há agentes penitenciários também na escada no edifício Pacaás, no CPA.


A greve foi deflagrada na última terça-feira (12), após o governo descumprir o prazo estabelecido em acordo judicial para encaminhar o projeto de lei do realinhamento da categoria. Por email, o próprio governo confirmou que não enviou o documento aos parlamentares, mas não esclareceu os motivos. 


Ainda na terça-feira (12), o desembargador Roosevelt Queiroz Costa, do Tribunal de Justiça de Rondônia, disse que os efeitos de uma liminar, concedida por ele há cerca de dois anos, estão em pleno vigor e que a greve deflagrada por agentes penitenciários é inconstitucional. “O sindicato tem ciência do parecer referente à ilegalidade do movimento, mas não saiu um parecer referente ao Estado não ter cumprido sua parte. A categoria está aguardando a manifestação do Judiciário, de forma positiva, tendo em vista que foi o próprio judiciário que homologou o acordo”, disse Daihane Gomes, presidente do Singeperon.

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
COMENTE
COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve, em especial, aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu. A DIREÇÃO