Coluna Porta Aberta - Por Fernando Garcia

Porta aberta 06 de abril de 2019

Fonte: Folha da Mata - Em Geral - 06/04/2019 14h 21min

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
Coluna Porta Aberta - Por Fernando Garcia

Não deu

Com a despedida do campeonato estadual de futebol, depois de sofrer derrota para o Ji-paraná, em pleno Cassolão, o Guaporé, começa a fazer o desmanche de sua equipe e deixa para rever os erros na próxima competição ano que vem. Na sua primeira participação do certame estadual, a torcida abraçou a equipe durante todos os jogos, inclusive fora de seus domínios, mas, a decepção ocorreu dentro de sua própria casa quando tinha a responsabilidade e a chance de vencer o adversário.

 

Demissão do treinador

Mas para o próximo ano o presidente e proprietário do Guaporé, Júlio Gazzele, com mais experiência poderá melhorar e muito a participação do Guaporé no campeonato estadual, visto, que alguns atritos internos ocorreram entre o ex-treinador Bebeto e o próprio dirigente, onde até hoje muitos torcedores de carteirinha, não souberam quais os reais motivos da saída do treinador Bebeto, que vinha fazendo um excelente trabalho frente aos seus comandados. A falta de um relações públicas ou de um jornalista, para manter um canal de informação também são falhas que poderão ser corrigidas na próxima temporada de campanha do clube.

 

Todos aguardado

O prefeito Luizão do Trento, já adiantou que no dia 22 de abril lançará um pacote de obras que se estenderá por toda malha urbana da cidade, o que deixou muita gente animada. Em conversa com esse saboreador de uma boa farinha torrada, ele garantiu que a operação tapa-buracos, asfaltos e outras obras de suma importância para a municipalidade, irá ganhar uma boa dimensão em todos os cantos da cidade. Ele enfatizou que reconhece os danois causados pelas fortes chuvas no decorrer desses meses, mas, que vai responder com muita galhardia os reparos a serem feitos em toda à cidade.

Estender as mãos

O vice-governador Zé da Jodan, poderia nesse momento estender as mãos para o prefeito Luizão do Trento, e manter diálogo com o governador MR, para que cedesse uma boa cota de óleo diesel para ajudar o município de Rolim de Moura, nos trabalhos que ficaram conhecidos como Cidade Limpa, na época do então governador Ivo Cassol. Não tenha dúvida que ajudaria em muito nesse momento crucial do município, uma quantidade de óleo diesel, para fazer os trabalhos de limpeza geral visto que o município possui alguns maquinários considerados novos. 

     

De olho aberto

Logo que o vice-governador Zé da Jodan, não compareceu à audiência que foi realizada no palácio Jorge Teixeira, que versava sobre a estadualização da Saúde em Rolim de Moura, onde abrange cerca de nove municípios circunvizinhos, que aproveite o momento, e agracie o município com uma Policlínica, no local onde foi construída uma UPA, acerca de dois anos, que não serve para nada. Se o estado manter a policlínica em regime de 24 horas, sem dúvida vai atender também vários municípios da região e desafogar o hospital Amélio João.

 

Motivação

Como o sonho de seu Zé da Jodan, de entrar na política para melhorar ou amenizar o sofrimento de quem precisa da saúde, como ele mesmo frisou durante várias entrevistas durante a campanha, agora, chegou a vez de retribuir essa ação benévola que sempre esteve guardada em seu coração. Pois bem, para a audiência da regionalização da Saúde, apesar de os convites terem sido estendidos as mais diversas autoridades, inclusive o secretário de Estado Fernando Máximo, e ao vice Zé da Jodan que não compareceram, que então analisem com bastante primor a necessidade de uma policlínica avançada em Rolim de Moura, que funcione 24 horas.

 

Substituindo o tomate

Com as chuvas incessantes em Rondônia, principalmente nos municípios da região da Zona da Mata, onde produz muito tomate, como o município de Alto Alegre e Alta Floresta, raramente o fruto está sendo encontrado. Os feirantes da região, estão comprando esses produtos direto de Irecê na Bahia, conhecida também como capital do feijão dos baianos. Com quase quatro mil quilômetros de distância, o tomate pode ser encontrado nas feiras livres e supermercados da cidade, ao preço de 7 Reais o quilo, o que está deixando as donas de casas em situação polvorosa. Muitas donas de casas estão optando pelas compras de pepino, abóbora, quiabos e outras iguarias, em substituição ao tomate.

 

Nomes novos

Ainda faltando dezenove meses para realizações das candidaturas a prefeito e vereadores, a capital da Zona da Mata, quando o assunto é eleição municipal, o sangue agita nas veias dos rolimourenses, onde parece que a política está impregnada na vida dessas pessoas. Como se trata de eleição municipal, os políticos velhos da cidade nem se manifestam, tampouco, seus nomes aparecem como supostos pré-candidatos, ficando a cargos mesmos da turma Mirim e de outros nomes jamais vistos em rodas políticas.

 

Veteranos fora

Talvez por não demonstrarem mesmo interesse pelo Casarão de Madeira, chamado de palácio senador Olavo Pires, os chamados políticos velhos, como Expedito Júnior, Ivo Cassol, Marina Raupp, Valdir Raupp, Mileni Mota, e Tião Serraia, até agora ninguém fala em nomes deles como pretensos candidatos. Uns por que só pensam em vôos mais altos e outros por medidas protetivas da Justiça Eleitoral, nem se manifestam para evitarem dissabores, preferem seus nomes no anonimato. Enquanto os grandes silenciam e mantém-se afastado do tabuleiro político local, os mirins ditam as regras e põe seus nomes em ventilações políticas constantes.

Tem que melhorar

A Unidade de Pronto Atendimento (UPA), construída acerca de dois anos e sem utilidade e prestes ao município devolver 2 Milhões de Reais, por falta de funcionamento e prestação de contas. O prefeito Luizão do Trento, deveria propor ao Governo do Estado, que fosse transformada em Policlínica Regional de Saúde, e fizesse um Consórcio Interfederativo da Saúde na Região, compondo vários municípios da região da Zona da Mata, bastasse unicamente o governador Marcos Rocha, assumir cinquenta por cento e os municípios cotizassem entre si de forma proporcional.

 

Tá na hora

Esses requisitos de hoje em se tratando de saúde, já são feitos em alguns Estados da federação de forma salutar para todos, aliviando de forma significativa os hospitais que fazem atendimento de tudo, desde uma unha encravada. Os consócios nos dias de hoje são as plataformas mais viáveis para implementar e superar esse modelo arcaico, de se fazer saúde sem obter resultados palpáveis. Conhecidas como gestão compartilhada entre governo estadual e municípios, esses programas vem ganhando adesões em estados do nordeste, principalmente na Bahia.

 

Força de vontade

Rolim de Moura poderia manter essa vanguarda através do Estado e municípios circunvizinhos, o que aliviaria para todos terem que despejarem seus munícipes no hospital Heuro de Cacoal, que possui em atendimento precário em decorrência da falta de estrutura e acolhimento de um grande número de pacientes, inclusive todos da região da Zona da Mata, o que se torna insuportável. Com o prédio da UPA em Rolim de Moura, recebendo apoio do Governo do Estado e a metade dos municípios consorciados, melhorariam em muito, podendo implantar e atender casos de várias especialidades, como tomografia, mamografia, eletrocardiograma, urologia, oftalmologia, neurologia, mastologia e procedimentos como vasoctomia, cauterizações, tireóide, próstata e pequenas cirurgias.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Jornal Eletrônico inforondonia.com.br não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
COMENTE
COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve, em especial, aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu. A DIREÇÃO