Clareamento anal e vaginal: procedimentos íntimos viram febre

Conheça as técnicas adotadas para deixar a região íntima com aspecto mais uniforme.

Fonte: METRÓPOLES - Em Geral - 21/08/2019 13h 54min

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
Clareamento anal e vaginal: procedimentos íntimos viram febre
As pessoas têm recorrido ao método para contornar o escurecimento progressivo dessas regiões.

A busca por uma “pele perfeita” alcançou as partes mais íntimas do corpo humano há tempos. Acompanhando a demanda de homens e mulheres, o número de procedimentos estéticos para a vagina e a região anal se multiplicaram, em parte para um melhor desempenho na hora do prazer. Um método, em especial, tem se popularizado e ganha cada vez mais adeptos: o clareamento.

 

Segundo o coloproctologista Vinícius Lacerda, as pessoas têm recorrido ao método para contornar o escurecimento progressivo dessas regiões, causado por “questões hormonais e metabólicas como o diabetes, a depilação, o atrito causado pela penetração e pela passagem de fezes, além de uma higiene inadequada.”

Doenças orificiais, como hemorroidas, plicomas, fissuras e fístulas podem contribuir para a alteração na pigmentação da pele. “Nesses casos, é importante fazer um acompanhamento conjunto com o médico coloproctologista”, aconselha.

Técnicas

A fisioterapeuta dermatofuncional Ynaiã Pieade explica que ainda não há uma técnica específica para a área íntima e, sim, uma adaptação dos procedimentos já existentes. As mais populares incluem o uso de ácido, como microagulhamento, luz pulsada e radiofrequência.

“A ausência de um produto específico não significa que qualquer profissional pode fazer o clareamento anal e vaginal, ou mesmo que é possível fazer em casa. É fundamental procurar um profissional habilitado a fazer o procedimento, que teve a capacitação adequada para aprender a utilizar os recursos disponíveis nessa nova demanda”, pondera.

O tempo do tratamento depende da técnica utilizada. O custo pode variar de R$ 100 a 300, a sessão. Antes de se submeter, é preciso saber se não há nenhuma contraindicação.

“É necessário realizar alguns testes para verificar se a pessoa não possui alergia a algum dos produtos utilizados. Pacientes com psoríase, diabetes, lúpus, vitiligo e que utilizam marca passo também não podem fazer”, elencou.

Logo após o procedimento, é recomendável se abster do sexo. Outro cuidado é evitar saunas e banheiras pelas 72 horas seguintes. Se não houver sinais de irritação após três dias, o test drive está liberado.

Autoestima

Dúvidas esclarecidas, resta a pergunta: vale se submeter ao procedimento por uma questão exclusivamente estética? Para Vinícius, se o objetivo for resolver um problema que incomoda e elevar a autoestima, sim.

No entanto, vale fugir de qualquer intervenção clínica cujo objetivo seja atender padrões estéticos ou pornográficos que não correspondem à realidade. “Aceite a beleza natural do seu corpo”, sugere o médico. Essa é a melhor forma de ser feliz, inclusive dentro de quatro paredes.

 

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
COMENTE
COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve, em especial, aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu. A DIREÇÃO