Ansiedade generalizada: veja os sintomas, tratamento e como conviver com o transtorno

Várias pessoas são diagnosticadas por mês com algum transtorno de ansiedade grave em Vilhena (RO). Psicóloga aponta os principais sintomas.

Fonte: G1 - Em Saúde - 07/09/2017 11h 02min

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
Ansiedade generalizada: veja os sintomas, tratamento e como conviver com o transtorno

A ansiedade generalizada é outra patologia que vem fazendo centenas de vítimas diariamente. O Brasil é o recordista na detecção deste problema, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Em Vilhena (RO), a cada 40 pessoas que procuram o Centro de Assistência Psicossocial (CAPS) diariamente, pelo menos 9 delas sofrem com alguma ansiedade grave.

 

 

O transtorno de ansiedade pode começar cedo na vida da pessoa, podendo haver manifestações ainda na infância. Possivelmente se tornará evidente no início da vida adulta, logo que o contato com outras pessoas e situações se tornam mais imperativos.

A progressão dos transtornos de ansiedade podem ramificar em outros problemas, como a síndrome do pânico, depressão e dependência em álcool e drogas.

O Coordenador do CAPS de Vilhena, Rafael Reis, diz que diariamente aparecem vítimas da ansiedade no município.

“Das 40 pessoas, em média, que buscam o CAPS diariamente, pelo menos 9 sofrem com ansiedade de algum tipo”.

O relatório da OMS afirma que 9,3% da população sofre com o problema.

 

- Convivendo com a doença

Uma dona de casa de 42 anos, paciente do CAPS, contou ao G1 como é conviver com o transtorno de ansiedade.

A mulher foi diagnosticada com síndrome das pernas inquietas há cerca de 10 anos. Essa síndrome é uma doença crônica, que se caracteriza por sintomas exclusivamente subjetivos, de sensações de desconforto, de parestesias nos membros, principalmente inferiores, presentes no repouso e que são aliviadas pela urgência em movê-los.

Essa doença é umas das inúmeras variações que a ansiedade agravada pode causar.

“Eu não sabia que era doença até o meu casamento. Faz uns 10 anos que eu descobri que era um tipo de ansiedade”, conta.

Perguntada sobre o que esse transtorno causa em sua vida, a mulher afirma:

“Eu quase sempre ajo sem pensar, passo por cima das coisas. O meu problema não me deixa parar, não consigo fazer nada, não consigo me concentrar. Enquanto as pessoas têm o prazer de fazer um monte de coisas, a minha ansiedade não me deixa sentir isso. E isso me faz muito mal. Eu não tenho expectativa de cura... eu já me acostumei. Tento levar a vida do meu jeito", finaliza.

 

- Como identificar a ansiedade?

 

A psicóloga Nikolli Evelyn Gubert esclarece que a ansiedade tem um limite. “Se torna um problema, quando o paciente deixa de fazer até as atividades mais simples do dia a dia por conta de uma preocupação exagerada ou por medo”, explica.

Os sintomas mais comuns que psicóloga explicou ao G1 são o medo de ir a público, conversar com pessoas e de locais fechados.

Os principais sintomas de ansiedade podem passar despercebidos no cotidiano, como fadiga, dificuldade de concentração, irritabilidade, perturbação do sono e tensão muscular.

“Caso a pessoa tenha mais desses dois sintomas diariamente por mais de cinco meses, pode ser um transtorno de ansiedade generalizada”, enfatiza.

A psicóloga Maria de Lourdes dos Santos também defende a importância de se atentar para este problema. “A ansiedade não é sempre ruim. Ela se torna ruim quando o indivíduo começa a ter prejuízos e percas significativas na vida”, conta .

- Tratamento

 

De acordo com o médico especialista em saúde mental, Kleber Ribeiro, o tratamento desses transtornos também são feitos com remédios antidepressivos.

“ A eficácia do remédio vai depender de uma série de fatores. Temos que considerar a idade, o histórico clínico do paciente, da aceitação da medicação pelo organismo do paciente, são muitas coisas a se considerarem. Por isso a importância de passar por alguém gabaritado para diagnosticar o que é melhor para a pessoa”, explica o médico.

O doutor também explica a importância de acompanhamento psicológico durante o período que o paciente está tomando remédios.

“É importante por que são questões psicológicas, são traumas ou eventos que desencadearam o descontrole da ansiedade. Com ajuda profissional o processo ficará mais fácil”, conclui. O tratamento tende a se de médio e longo prazo.

 

- Onde procurar ajuda

 

Em médicos, psicólogos e CAPS, caso tenha no município que a pessoa reside.

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
COMENTE
COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve, em especial, aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu. A DIREÇÃO

Mais Notícias da Categoria: Saúde