1º Encontro de mulheres e mães sustentáveis

Data: 16/05/2018 13h 34min
Fonte: www.revistaecoturismo.com.br
1º Encontro de mulheres e mães sustentáveis

Nesta segunda-feira (14) reunidos no auditório do Edifício Helbor Offices em Santos, autoridades municipais, estaduais, advogados, empreendedores, classe política e principalmente mulheres influenciadoras da baixada santista, deram mais um importante passo para as discussões de saneamento, tecnologia de reuso, distribuição de águas com qualidade para toda a macro região da baixada santista, um pólo com mais de 1 milhão de habitantes.

 

Sob o tema mulheres Sustentáveis, a Revista Ecoturismo 27 anos em parceria com a Sabesp, organizou mais uma rodada de seus seminários sustentáveis no território brasileiro, iniciado em abril, na Agrishow em Ribeirão Preto e em maio na cidade de Santos, cidade pólo da região metropolitana da baixada santista.

 

Importantes nomes da Academia e dos segmentos de influência paulista, desfilaram durante duas horas nesta segunda feira, seus conhecimentos e propostas para uma região mais saneada e sustentável, repercutindo este tema que já fora tratado recentemente em seminário análogo sobre a Água e saneamento nesta cidade de José Bonifácio.

 

Abrindo as conferências desta segunda feira, o 2 º Secretário da Câmara de Vereadores de Santos, Pastor Roberto de Oliveira, falando em nome do legislativo mirim da cidade, enfatizou o papel da comunidade no trato e uso racional da água e o saneamento, bem como o papel que as donas de casa possuem na limpeza dos lares e no comando das famílias, assegurando bem estar e como isto influência a vida harmônica na sociedade.

 

O secretário da Câmara Municipal de Santos, recordando o importante papel do deputado federal Papa que é Vice Presidente da Comissão de Saneamento da Câmara dos Deputados, comprometeu-se a lutar junto ao prefeito Paulo Alexandre Barbosa e demais prefeitos e vereadores das demais cidades da baixada a buscarem um breve pacto com a Sabesp, visando os contratos de concessão entre a Sabesp e toda a baixada santista.

 

Roberto de Oliveira enfatizou que a maioria das cidades busca manter a Sabesp a frente dos serviços de fornecimento e distribuição de água potável e também na coleta e tratamento de esgoto e sabedor das exigências que as prefeituras têm com a empresa de saneamento de maiores investimentos e perdão de dividas municipais acumuladas.

 

Deve se ressaltar o importante papel de saneamento de Santos e no pioneiro de Saturnino de Brito na temática do saneamento já que foi nessa cidade há 1 século que o sanitarista famoso deu exemplo de tratamento através dos canais da cidade exemplo de técnica exportada para vários países do mundo.

 

O eminente conferencista e Professor José Barbosa Leite Neto, santista e mestre de várias gerações, em pronunciamento inédito na plenária aduziu e lançou um repto para Santos liderar movimento inovador de saneamento, tratamento e cuidados ambientais que podem levar os projetos para outros municípios e estados brasileiros, como Tocantins, Pará e outras cidades e estados que buscam técnicas sustentáveis no uso racional da água, bem finita e feminina, que precisa ser bem cuidada e tratada, como observou Carlos Ashihi, da comunicação social da Sabesp, na sua fala no evento.

 

O professor José Luiz Moraes, representando no seminário o deputado estadual Cássio Navarro da região de Praia Grande, igualmente enfatizou sua fala a importância da influencia feminina nas questões de liderança, no trato da sustentabilidade doméstica e não deixou de comentar o papel da Sabesp, na baixada santista, no combate aos vazamentos e as tecnologias que vem sendo empreendidas para evitar o desperdício e perdas na distribuição do precioso líquido e comprometeu-se a engajar a região de Praia Grande nesta luta em prol da melhor justiça nos contratos municipais com a Cia. que trabalha fortemente pela melhoria cada vez mais, dos índices de excelência na água e saneamento e reuso do bem fundamental do planeta.

 

Também foi enfatizado o papel do prefeito de São Vicente Pedro Gouvêa, presidente do Condesb na liderança dos 9 municípios da região metropolitana da baixada em discutir e procurar atender os reclamos das populações e buscar consensuar para que a Sabesp possa ter seu protagonismo nos próximos 20 a 30 anos na área da sua especialidade, água e saneamento.

 

A outra conferencista da tarde, foi a conceituada jornalista Rosana Valle, que durante 25 anos comandou vários programas televisivos e na imprensa escrita, entre eles o popular na Rota do SOL, na TV Tribuna, retransmissora da Rede Globo, falando da sua experiência sustentável em mais de 30 países e lembrando que a mulher é fundamental na liderança das famílias e que a Sabesp de fato pode ser a grande protagonista na temática de um melhor trato da água e suas consequências para a saúde. Recordando o importante papel do saneamento, como preventivo de doenças, o que estabelece uma prioridade para temas que não podem deixar de ter a relevância, por que uma água bem tratada permite aos usuários, cuidados que evitando doenças, desafogam os hospitais e oneram o orçamento das famílias e dos poderes públicos.

 

O outro conferencista foi o delegado Paulo Della Rosa, Delegado Poeta, que enfatizou a força das mulheres no trato e falou como exemplo de policial militar que usando de força, impediu violência contra mães e filhos em polêmico episódio ocorrido neste último final de semana na capital paulista. Delegado Paulo Della Rosa deixou claro que reconhece o papel da Sabesp a maior concessionária do Brasil no seu segmento, no bom trato de esgoto em toda a área de sua jurisdição e do reuso de água potável.

 

Aduzindo que nesta temática o Brasil deveria adotar parâmetros claros para o tratamento da água, já que o país utiliza os critérios definidores da Organização Mundial da Saúde, mas, temos deficiências no desenvolvimento de alternativas tecnológicas. Uma solução é trabalhar com filtros com tecnologia importada, usando, por exemplo, a água do mar e chegar a ter água potável.

 

Uma das mulheres influenciadoras presentes recordou que temos iniciativas como a de Riviera de São Lourenço, aqui em Bertioga de reutilização de água indiretamente, com água captada, tratada e descartada em tanque de peixes.

 

 Novamente se colocou a baila entre os participantes nas rodas de discussões paralelas que caberá a nova direção da Sabesp, sob o comando de Karla Bertocco, sucedendo o engenheiro Jerson Kelman, reunificar as ações para buscar expandir a rede para coleta e tratamento de esgoto na baixada santista, com indispensáveis parcerias entre a Sabesp e os municípios regionais. Claro que a isto vai determinar ações conjuntas, onde possa se passar troncos coletores no fundo do vale ocupado.

 

 

Os advogados participantes do fórum Mulheres Sustentáveis aduziram ontem que o saneamento básico está previsto na Magna Carta e regulado pela Lei 11445 de 2007, onde se estabelece todo o conjunto de serviços, infraestrutura e instalações operacionais de abastecimento de água, esgotamento sanitário, limpeza e drenagem urbano, bem como o manejo de resíduos sólidos e águas pluviais.

 

Os juristas presentes ao seminário mulheres sustentáveis Revista Ecoturismo Sabesp, enfatizaram que a lei determina como alvo central a universalização dos serviços de saneamento básico, com acesso erga omnes ao abastecimento de água de qualidade e quantidade suficientes a necessidade, bem como a coleta, tratamento adequado do esgoto e lixo e o manejo correto das águas das chuvas. Juristas colocam esta linha na busca da sustentabilidade plena, previsão constitucional brasileira, enfatizando que os estados atuam na prestação dos serviços de água, coleta e tratamento de esgoto e os municípios ficando responsáveis pela elaboração de plano de saneamento básico, essencial para regulamentação da concessão de abastecimento da água e esgoto.

 

Os participantes do seminário e mulheres influenciadoras enfatizaram que Santos tem um modelo inovador de trato de esgoto, no chamado Emissário Submarino, onde todo o esgoto escoado passa por um pré tratamento e onde cem por cento do coletado recebem um tratamento, percorrendo depois um duto de 4,25 kms de extensão.

 

Foi abordado como um modelo de relevância do trato de esgoto, citando Santos e SP como exemplo de enormes taxas de tratamento em detrimento de muitas cidades brasileiras, como por exemplo Porto Velho, a capital de Rondônia, que não tem sequer 10 por cento de tratamento, que pode influenciar em ocorrência de doenças para as populações.

 

A carência do saneamento básico, tema central da sustentabilidade, foi apurado que cerca de 35 milhões de brasileiros, não tem acesso a água tratada, e quase 50 por cento da população do pais, não possui coleta de esgotos e apenas 40 por cento dos esgotos coletados pelo pais, são tratados. Um desafio para os próximos governantes brasileiros é buscar como alvo cobrir a carência do saneamento básico que atinge a toda população.

 

Impactos fortes nas chamadas populações de baixa renda, nos chamados aglomerados subnormais e em áreas irregulares. Contrariar esta tendência é um enorme desafio, já que esgoto e saneamento, não dão voto por que ficam enterrados, determinando com esta prática incorreta de dezenas de anos, a proliferação de doenças que poderiam ser evitados e melhor qualidade de vidas se invertessem esta lógica perversa de não dar a relevância necessária para algo tão fundamental e elementar.

 

Nos estudos desta rodada dos Seminários Sustentáveis em Santos, preparativo para a nova rodada em 5 de Junho no Dia Mundial do Meio Ambiente em Ubatuba, apurou se que apenas 18,3 por cento do esgoto é tratado na região norte brasileira e o índice de coleta é de 10,45 por cento. Na região nordeste brasileira, apenas 36% do esgoto é tratado com uma coleta de apenas 26%. Na região centro oeste, 52 % do esgoto é tratado , no entanto a média de esgoto tratada é de 51%.O Sul brasileiro, trata 43% do esgoto e o atendimento total do esgoto coletado é de 42% . Por fim a região sudeste, trata 48,8 % do esgoto sendo 78,57 % de atendimento total.

 

As mudanças climáticas e a crise hídrica vencidas por SP nos últimos anos, foi abordada pelo conferencista Sidney Pereira Costa, mostrando que SP tem dado o seu bom exemplo de vitorias nas adversidades e refletindo pronunciamento de Leo Heller, relator Especial do Direito Humano á água e ao Esgotamento Sanitário da ONU, que aponta a água determina a falta de planejamento e desigualdade no acesso ao saneamento e recursos hídricos.

 

O exemplo dado pelo professor lembrado no seminário Mulheres Sustentável é de que quando a estiagem se converte em escassez de água, como na Cidade do Cabo, em Brasília e em SP em 2014, denota falta de planejamento, enfatizando que agentes no setor de água e esgoto têm dificuldade em aceitar que a água seja tratada como direito humano.

 

Como o tema é sustentabilidade das mulheres, significa trazer para o setor de água e saneamento os conceitos de direitos humanos, como disponibilidade, qualidade, acessibilidade física e financeira, ou seja, as pessoas não podem ter água negada, por não poderem pagar. Embora este conceito esteja na contramão de muitas empresas mundiais, cada vez mais comercializando o produto que vai se tornando caro como petróleo.

 

Não se pode mais dar como desculpa a estiagem, para converter em escassez da água e precisa mais do que nunca de planejamento dos entes organizadoras e as populações tem seu papel relevante na economia, no uso racional e consciente deste bem finito que deve ser muito bem tratado e retroalimentado, para essas e outras gerações, conceitos definidores da Sustentabilidade, previsto na Constituição federal brasileira.

 

Os encontros e rodadas sustentáveis dentro do 17º Seminário de Sustentabilidade prosseguem nos próximos dias e meses e já tendo agendado encontros amazônicos em maio e dia 5 de junho, rodada sustentável do Litoral norte de SP, no Teatro Municipal de Ubatuba, com a ocorrência de autoridades dos 4 municípios, populações acadêmicas e formadores de opinião paulista, enfatizou o coordenador das rodadas sustentáveis, jornalista e advogado Hércules Góes, titular do Jornal e Revista Ecoturismo chegando na 300 ª edição nacional.

 

Entre as premiadas Dinilza Couto Teixeira e Esmerinda Dias

 

O Seminário Mulheres Sustentáveis da Revista Ecoturismo e Sabesp, sorteou alguns mimos as mulheres influenciadoras da comunidade, entre eles produtos rejuvenescedores da Jeunesse que foram fornecidos pela executiva regional Jacira Góes e destacou com um Certificado comemorativo do papel de força das mulheres de todos os segmentos sociais, Esmerinda Dias, Iracy Clemente, Vera Lobeth, Sandra Dias, Rosana do Valle, Sarah Monteiro, Juciara Rocha, Edenir Barbosa Leite, Jacira Goes e Mileny. As influenciadoras são desde jornalistas, empreendedoras, pastoras e até donas de casa como a emblemática Iracy, com 93 anos de muita lucidez e uma influenciadora sustentável santista.

 

Texto: Comunicação Ecoturismo

Fotos: Adriana Piva.

1º Encontro de mulheres e mães sustentáveis

1º Encontro de mulheres e mães sustentáveis

1º Encontro de mulheres e mães sustentáveis

1º Encontro de mulheres e mães sustentáveis

Comente

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros.
O aviso serve, em especial, aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu. A DIREÇÃO

Outras Notícias